SOHIMERJ  
Home Cursos Profis. Hipnólogos Diretoria Congressos Contato
   

SOBRE HIPNOSE

Histórico

No Brasil, a história registra a aplicação da Hipnose em Medicina desde 1832, quando Leopold Gamard escreveu uma biografia. Em 1861 foi fundada a Sociedade de Propaganda e Jury Magnético do Rio de Janeiro que teve em 03/05/1862 o seu reconhecimento por D. Pedro II e que propugnava pela sua utilização através de experiências e aplicações feitas por médico competentemente reconhecido.


Em 1957 foi fundada, no Rio de Janeiro, a Sociedade Brasileira de Hipnose Médica sendo David Akstein seu primeiro presidente. Desde logo esta entidade se filiou á Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro, que por sua vez é constituinte da Associação Médica Brasileira.

São Paulo sediou de 1968 a 1973 a Divisão Nacional do Brasil da 'The International Society for Clinical and Experimental Hypnosis'. Esta, em 23 de maio de 1973, teve seu nome modificado para Sociedade de Hipnose Médica de São Paulo, que em 1974 passou a ser constituinte da Sociedade

Brasileira de Hipnose.

Em Minas Gerais, há o Departamento de Hipniatria da Associação Médica de Minas Gerais, a Sociedade Mineira de Hipnose e no Paraná a Sociedade de Hipnose do Paraná. Existem em outros Estados Sociedades e entidades federadas, como a Federação Centro-Sul de Hipnose e a Confederação Brasileira de Hipnose, sediada em alguns Estados do Nordeste.

No mundo, existem registros da utilização da Hipnose que datam de mais de 2000 anos, sendo que o seu uso científico ocorreu a partir de 1776 quando, em Viena, o Dr. Franz Anton Mesmer desenvolveu um procedimento psicoterápico a que denominou de magnetismo animal. Houve a seguir vários nomes dados ao mesmo procedimento, até que James Braid a denominou de Hipnotismo, de onde se derivou a palavra Hipnose que permanece até hoje.

O reconhecimento da Hipniatria como ato médico pelo Conselho Federal de Medicina.

Na verdade não se trata de aprovação do uso da Hipnose em Medicina e sim do reconhecimento pelo egrério Conselho Federal de Medicina desse procedimento como ATO MÉDICO, sob a denominação de Hipniatria. Esse reconhecimento decorreu do Processo Consulta nº 2.172/97, isto é, de consulta formulada em 22/01/97 pelo Dr.Mozart Smyth Jr., de Belo Horizonte, ao Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais, sobre a possibilidade de utilizar o termo HIPNOSE MÉDICA no receituário de seu consultório, sem ferir os ditames do Código de Ética Médica. O C. R. M. de Minas Gerais, de posse da consulta, a encaminhou para o Conselho Federal de Medicina que abriu um processo onde foi analisada a utilização da Hipnose na Medicina, nomeando os Conselheiros Paulo

Eduardo Behrens e Ney Moreira da Silva como relatores. Os referidos conselheiros consultaram a Sociedade de Hipnose Médica de São Paulo, constituinte regional da Sociedade Brasileira de Hipnose e esta por sua vez nomeou os Drs. Antonio Carlos de Morais Passos e Joel Priori Maia para representa-la. Seguiram-se reuniões onde a Sociedade de Hipnose Médica de São Paulo propôs aos dignos conselheiros a denominação de HIPNIATRIA ao procedimento ou ato médico que utiliza a Hipnose como parte predominante do conjunto terapêutico. Em 20 de fevereiro de 1999,

o Conselho Federal de Medicina discutiu em Plenário a documentação apresentada, aprovando o parecer nº42/99 dando essa denominação ao ato médico que se utiliza da hipnose como procedimento predominante.

O terno HIPNIATRIA já era de uso corrente e não oficial, tendo sido proposto por Miguel Calille Jr. Em 1973, com o parecer de CMF, houve o reconhecimento aos bons serviços desenvolvidos por inúmeros profissionais médicos no Brasil e as entidades as quais são associados e que propugnam pelo seu emprego ético e científico no tratamento de seus pacientes.

O Conceito Científico da Hipnose

Modernamente a Hipnose é considerada como um "estreitamento de consciência" provocado artificialmente, geralmente parecido com o sono, mas que deste se diferencia fisiologicamente pelo aparecimento de uma série de fenômenos que ocorrem espontaneamente ou decorrentes de estímulos verbais ou de outra natureza.

Os primeiros experimentos da hipnose perdem-se nas brumas do tempo, porém os primeiros relatos científicos decorrem da publicação de monografia em 1877 por Franz Anton Mesmer, seguido de experimentações do marquês de Puyseguir, na França, e depois pelo Abade Faria que a

atribuiu à sugestão. Na sua história, incluem-se Bernheim, Liebault e Charcot, na Inglaterra, além de Pavlov na Rússia, entre outros nomes. Freud, ao desenvolver a Psicanálise considerava-se em seus escritos, como ''um herdeiro do hipnotismo'.

Indicações e Contra-indicações da Hipnose A hipnose se imbrica e se entrelaça com quase todas as especialidades médicas. Durante a Primeira e Segunda Guerra Mundiais, a hipnose foi amplamente utilizada como agente anestésico, nas analgesias e ainda como forma de tratamento das neuroses traumáticas de guerra. Com o advento da anestesia e analgesia químicas, teve sua aplicação nesse campo reduzida, mas ainda é muito utilizada nos casos em que se pretende obter a redução do uso de medicamentos e reduzir as tensões, estresses e ansiedades desencadeadas pela cirurgia.

Assim, poderemos apresentar um pequeno resumo de suas aplicações:

a) Para o alívio da dor, principalmente nos casos de dor intratável, produzindo anestesia ou analgesia;

b) Nos diferentes setores da clínica e cirurgia, especialmente na obstetrícia;

c) Como agente tranqüilizante no alívio dos estados de ansiedade, apreensão ou tensão, qualquer que seja a sua causa;

d) Em qualquer situação onde a psicoterapia possa ser útil;

e) No controle dos estados fóbicos, depressivos e ansiosos, nos quais é considerado agente psicoterápico eficaz;

f) No controle da hemostasia e da salivação observada durante o tratamento dentário, bem como afastando as tensões desencadeadas pelo "medo de tratar os dentes";

g) Em crianças, no aprendizado, na redução das tensões ansiedades e temores, na hiperatividade e na correção de hábitos danosos como o roer unhas (onicofagia), chupar o polegar, etc;

h) No controle de alguns hábitos, como o alcoolismo, o tabagismo e a drogadicção;

i) Experimentalmente, em qualquer pesquisa no campo psicológico e neurofisiológico.

É necessário, porém, ficar atentos às suas contra-indicações. A hipnose não deve ser usada:

a) Na remoção de sintomas pura e simplesmente, quando não se sabe a causa de sua ocorrência;

b) Em qualquer condição onde o estado emocional do paciente não foi determinado;

c) Sem objetivo definido, apenas para satisfazer o ego do paciente ou do profissional;

d) Para abolir determinadas sensações, como a fadiga por exemplo, o que pode levar o paciente a ir além dos limites de sua capacidade física;

e) Em psicóticos e esquizofrênicos deve ser feita apenas por psiquiatra experiente, pois tem sua ação limitada;

f) São necessárias as qualidades de atenção, concentração e memória para o seu uso, o que a faz ter eficiência limitada em determinados graus de oligofrenia.

Tempo de Tratamento

O tempo de tratamento varia de um indivíduo para outro e de acordo com o quadro clínico que apresenta. A duração das sessões depende de cada caso e é variável, de acordo com sua complexidade e necessidade, tornando-se difícil estabelecer uma média de tempo.


HIPNIATRIA (HIPNOSE CLÍNICA) É ESPECIALIZAÇÃO

Hipniatria é especialização dentro da área de atuação da Psicoterapia, na Psiquiatria (especialidade), nas diversas Especialidades Médicas, na Odontologia e na Psicologia. Em outras palavras: Hipniatria não é especialidade, é especialização em área específica do saber. Este saber está na Psicoterapia, nas técnicas de chegar ao inconsciente, para nele ressignificar os modelos ou programas que eliciam comportamentos indesejados ou pensamentos disfuncionais.

Psicoterapia é designação dada a qualquer forma de tratamento que atue por intermédio das faculdades mentais. Os principais métodos psicoterapêuticos são os seguintes: 1º Sugestão. 2º Persuasão. 3º Análise. 4º Educação e ocupação, (Praxioterapia).

O objetivo acadêmico é ensinar aos profissionais da área de saúde recurso eficiente para atuar na transferência e cognições para o inconsciente.

A Psiquiatria (especialidade) vinha usando a análise e a praxioterapia há muitos anos. Com o incremento das terapias cognitivas e a hipniatria o conteúdo programático da Psicoterapia foi completado. Hoje, as principais indicações para a Psicoterapia são as seguintes: Cognitiva, Praxioterapia, Hipniatria e Psicanálise.

A Hipniatria tem em seu conteúdo informação que permite a passagem do insight cognitivo, da solução da queixa, para a parte executiva do inconsciente. Sabe-se que no inconsciente está localizado a parte executiva e automática do ser humano. Com a Hipniatria o paciente fica menos tempo em tratamento, diminuindo as recidivas e não havendo o perigo de dependência química. A Hipniatria trabalha com o significado da palavra.

Resumo: Áreas de atuação
na Especialidade:Psiquiatria,
na Psicoterapia:Sugestão, Hipniatria, Persuasão, Cognitiva, Análise, Psicanálise, Educação e ocupação, Praxioterapia,
nas diversas Especialidades Médicas,
na Odontologia,
na Psicologia.

O maior interesse é o ensino de tratamento que atue por intermédio das faculdades mentais.

A Resolução n.º 42 do CFM em 20 de agosto de 1999, fez da hipnose Ato Médico com o nome de Hipniatria.

Resolução n.º 2.407 de 10/10/2002 (do CEP UNIRIO) criou a pós-graduação Latu-Senso de Hipniatria. Coordenação: Prof. Jarbas Delfino dos Santos

ATO MÉDICO

Em 2000 foi distribuído pelo CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO RJ o MANUAL DO MÉDICO e nele na página 91 consta: “A hipnose é reconhecida como valiosa prática médica, subsidiária de diagnóstico e de tratamento, devendo ser exercida por profissionais devidamente qualificados e sob rigorosos critérios éticos. O termo genérico adotado por este conselho é o de Hipniatria.”

Em 20 de agosto de 1999 o Conselho Federal de Medicina fez da Hipnose Ato Médico. (Parecer CFM nº 42/99).

A Hipnoterapia leva a pessoa a um estado especial da consciência. Nesse estado está mais suscetível à sugestão e recupera mais rapidamente a saúde ou liberta-se, mais rapidamente, de vícios.

 

 

Sobre a Hipnose

Conheça mais sobre a História da Hipnose

Saiba Mais

Livros

Alguns livros por nós recomendados...

Saiba Mais

Artigos

Artigos dos mais renomados Hipniátras.

Saiba Mais